Rua Três Rios, 363 - Bom Retiro

OFICINA CULTURAL OSWALD DE ANDRADE

Natália Mallo e Florido

QUEIMA (em processo)

20h

17h

11h

13/03/20

14/03/20

15/03/20

Subititles in English

SCORCH (work in progress)

Class. indicativa

12 anos

Duração

60 min.

Linguagem

TEATRO

Galeria

Ficha Técnica

Credits

Texto Original: Stacey Gregg Tradução e adaptação: Natalia Mallo Atuação: Florido Trilha Sonora: Arca Produção: Gabi Gonçalves Realização: Corpo Rastreado

Siga os artistas

Follow the artists

face_logo.png
Insta_logo.png

Sinopse

Synopsis

Queima é sobre Kes, menine que vive uma crise de amadurecimento na adolescência, enquanto sofre as dores e delícias do primeiro amor e questiona o próprio gênero, em meio à era digital. A peça discute a tutela do Estado sobre experimentações identitárias, sexuais e afetivas na juventude e, de maneira delicada e aguda, evidencia o quanto o entendimento binário do mundo se torna mais anacrônico a cada dia, e continua fazendo de suas vítimas aqueles corpos e existências fora da normatividade cisgênera.

QUEIMA é a montagem brasileira da peça SCORCH, de autoria da dramaturga britânica Stacey Gregg, traduzida e dirigida por Natalia Mallo ("O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu") e produzida pela Corpo Rastreado. Trata-se de um monólogo que conta a história de um "primeiro amor" pelos olhos de um adolescente que está questionando o próprio gênero, na era digital. A peça é narrada por Kes, interpretado por Florido, performer e artista visual não-binário. A personagem, que foi criada como mulher, tem uma identificação crescente com meninos em videogames e filmes, iniciando uma experimentação de gênero. Quando Kes encontra Júlia em jogos online, e esta parece acreditar que Kes é um menino, começam a viver um grande amor. Sob influência da mãe, Júlia acusa Kes de ter mentido sobre seu gênero, partindo seu coração e criando um problema com a Justiça. A peça foi inspirada em casos reais, acontecidos no Reino Unido, em que houve denúncias de "fraude de gênero". A cobertura da mídia deu tratamento cruel e sensacionalista a esses casos, causando graves danos aos jovens envolvidos. Estes fatos motivaram a escrita da peça, com o objetivo de dar visibilidade a estes conflitos e ambigüidades tão cruciais na juventude e à necessidade de fomentar novos entendimentos e empatia frente a estas questões. QUEIMA trata de um momento da vida em que se duvida de tudo, muito marcado pelo auto-questionamento e pela necessidade de pertencimento e acolhimento. Os questionamentos em torno da orientação sexual e identidade de gênero ganham novas camadas de complexidade em uma era em que o digital tem forte presença na vida dos jovens, seja pelo fluxo de informações, pelas possibilidades do anonimato ou pelo acesso a modelos comportamentais e estéticos.

Vídeo

realização

 info@faroffa.com.br

© Faroffa 2020 | Todos os direitos reservados